Após a leitura e discussão do conto “A missa do galo”, os alunos do curso de Telecomunicações 2 e Edificações 2 (IFG- Campus Goiânia) produziram releituras. Confiram os trabalhos!

Anúncios

No  dia 8 de Outubro de 2018, as turmas de Edificações 2 e Telecomunicações 2, do Instituto Federal de Goias, Campus Goiânia, realizaram o  julgamento da personagem Capitu, do livro Dom Casmurro de Machado de Assis. Após a leitura da obra, os alunos trabalharam na construção da argumentação para defender ou acusar a Capitu de ter traído ou não a personagem Bento Santiago. Para compor a bancada dos jurados foram convidadas as turmas de Mineração 2 e Eletrotécnica 2. O juri tomou sua decisão de acordo com a melhor defesa ou acusação apresentada pelas turmas de Edificações e Tel., sendo a ré acusada no primeiro caso e absolvida no segundo. Após o julgamento, realizamos também um debate sobre a obra.

Estas paródias foram produzidas pelos alunos do 2 º ano de Edificações do Instituto Federal de Goiás-Campus Goiânia, a  partir do estudo dos seguintes conteúdos: romantismo, intertextualidade.

 

Este trabalho foi realizado com alunos da primeira série do Ensino Médio (cursos de Mineração, Telecomunicação e Eletrotécnica) no Instituto Federal de Goiás- Campus Goiânia.  Os alunos realizaram a leitura prévia da obra, estudamos o gênero teatro, e os mesmos preparam uma apresentação teatral. Além disso, trabalhamos ainda o gênero resenha, o que deu origem aos textos postados nos comentários.

 

Este trabalho foi realizado com alunos da primeira série do Ensino Médio ( cursos de Mineração, eletrotécnica e telecomunicações) no Instituto Federal de Goiás- Campus Goiânia.  Os alunos realizaram a leitura prévia da obra, estudamos o gênero teatro, e os mesmos preparam uma apresentação teatral. Além disso, trabalhamos ainda o gênero resenha, o que deu origem aos textos postados nos comentários.

 

 

 

Apresentação dos aluno do 9º ano (2017)do Colégio Jesus Maria José

Após a leitura da obra “A culpa é das estrelas”, realizamos uma roda de conversa sobre sobre o livro e assistimos ao filme a pedido dos alunos.  Em seguida, fizemos uma sala temática em que eles expuseram: vídeos sobre os tipos de câncer; cartazes e desenhos; uma encenação teatral de um trecho da obra e ainda cantaram a música tema do filme. No dia da culminância, os alunos do 9º ano convidaram os colegas das demais turmas para assistir. Foi tudo muito legal!

“Embora amássemos estudar, só nos demos conta de quanto a educação é importante quando o Talibã tentou nos roubar esse direito. Frequentar a escola, ler, fazer nossos deveres de casa não era apenas um modo de passar o tempo. Era nosso futuro. (…) O Talibã podia tomar nossas canetas e nossos livros, mas não podia impedir nossas mentes de pensar.” Eu sou Malala. p. 156

” O diário de Gul Makai chamou muita atenção. Alguns jornais o reproduziram. Então a BBC o colocou no ar usando a voz de outra menina. Comecei a entender que a caneta e as palavras podem ser muito mais poderosas do que as metralhadoras…Estávamos aprendendo a lutar. E a perceber como somos poderosos quando nos manifestamos.” Eu sou Malala p. 167